IMG-LOGO
Home > Política > As nuvens da política. Ou a teoria das possíveis impossibilidades
Política

IMAGEM: Tempos áureos: Ladeando o ex deputado Raul Jungmann, o ex prefeito Silvino Duarte (E), atual prefeito Izaías Régis (de azul) e o ainda vereador Sivaldo Albino - atual deputado estadual - último na foto. (Arquivo internet )

As nuvens da política. Ou a teoria das possíveis impossibilidades

Segundo o político Magalhães Pinto, ex banqueiro e velha raposa mineira “A política é como nuvem: Você olha e ela está de um jeito. Olha de novo e ela já mudou”.
Por Marcelo Jorge - 02 De Agosto De 2019, 03:55 PM


E nada de fato é tido como impossível nos horizontes que se desenham para as disputas eleitorais vindouras.


Com a proximidade de 2020, as lideranças recém conduzidas ao Congresso Nacional - Deputados Federais e Senadores - e às Assembleias Legislativas - Deputados estaduais - , alguns com pouco mais de sete meses de mandato,  já iniciaram suas articulações visando emplacar seus candidatos nos palácios e câmaras municipais.


Nos 5.570 municípios brasileiros e nos 184 entes pernambucanos, não é diferente. Amigos começam a se ‘estranhar’ e inimigos reveem suas diferenças, na busca de abocanhar espaços e alçar cargos. Mas nem todo sinal visto hoje necessariamente vai perdurar até o ano eleitoral. Os cenários se modificam – como nuvens ao sabor do vento, ou melhor, das circunstâncias que se vivenciará até lá: avaliação da governabilidade estadual e nacional, alterações nas leis eleitorais, cenário econômico favorável ou não, além das causas naturais e por sí só impossíveis de serem previstas, como intervenções judiciais com  improbidades, desistências, fusões, mortes, etc.


Em Garanhuns, agreste de Pernambuco, a cena não é diferente. No município turístico de 140 mil habitantes e terra natal do ex presidente Lula, se desenha uma acirrada disputa que colocará em cheque a aprovação do atual prefeito oposicionista ao Governo do Estado Izaías Régis (PTB),  impedido pelas regras eleitorais de concorrer novamente em razão de estar cumprindo seu segundo mandato, mas que tentará emplacar um sucessor. O gestor aponta diuturnamente e incansavelmente o seu vice, Haroldo Vicente (PSC), como herdeiro natural do trono.


Do outro lado, o seu antigo aliado e hoje antagonista Sivaldo Rodrigues Albino (PSB), ex vereador em quatro legislaturas,  ex ferrenho adversário nas últimas eleições municipais, quando tentou ocupar o cargo de prefeito e atualmente deputado estadual governista.


Algumas vias surgiram no período e deram vazão ao retorno de um antigo aliado de ambos: Silvino Duarte (PTB). Ex vereador e ex prefeito de Garanhuns em duas ocasiões (1997 à 2000 e 2001 à 2004), Duarte parecia ‘aposentado’ da vida pública, recobrou o fôlego e aparenta empolgação em se colocar como uma opção de pre candidatura, visando reatar com seus  eleitores, que sempre lhe avaliaram como bom gestor.


O detalhe é que neste novo jogo, as cartas também não serão as mesmas: Seu fiel escudeiro em outras disputas foi exatamente o agora pré candidato Sivaldo Albino que, quando vereador, chegou a ocupar o cargo de líder do seu Governo sendo um defensor sempre presente e eficiente cabo eleitoral. Por sua vez, a possibilidade de receber apoio do prefeito Izaías – a quem apoiou ao abrir mão da própria candidatura na reta final em  2012 – que parecia uma perspectiva há muito deixou de ser expectativa para Silvino. 


Outro detalhe é que uma carta impensada entrou neste baralho: A ascensão surpreendente ao cargo de Deputado Federal do jornalista garanhuense Fernando Rodolfo (PL) e sua incipiente porém boa avaliação popular, parece estar construindo abrigo seguro para o ex gestor, o que pode significar um novo discurso para o que acostumou-se a chamar ‘velha política’. Rodolfo, mesmo debutando no Congresso, já ‘adocicou’ o orçamento de alguns gestores do agreste com emendas que, futuramente transformadas em recursos palpáveis, trarão à população benefícios a curto prazo, servirão como mote de campanha  o que pode gerar uma disputa com o prefeito Izaías pelo papel de ‘Fiel da balança’ nas eleições.


Com esses arranjos e mutações o eleitor, que assistia constante troca de farpas,  ultimamente presencia um tratamento mais cordial entre o prefeito Régis e o Governador Paulo Câmara, cortesia inconcebível até algumas semanas.


Nos últimos meses cogitava-se ainda o nome no Coronel Campos (PSL), como um nome a ser postulado. No entanto o militar da reserva assumirá em algumas semanas importante cargo de gestão no Governo Bolsonaro, como superintendente regional do  INCRA em Pernambuco e um outro quadro da mesma legenda deve assumir a pré candidatura. Alguns outros nomes levantados são os do empresário, ex vereador e ex secretário municipal Givaldo Calado; do engenheiro Paulo Camelo (PCdoB) e do jovem empresário Hélder Carvalho (PT).  


O que está por vir em Garanhuns? Talvez bom mesmo seja observar o formato atual das nuvens... e não tirar os olhos delas! 


Aliás, já olhou as nuvens hoje?


   


 



Compartilhar: