IMG-LOGO
Home > Variedades > Youtuber que pediu assassinato de Bolsonaro nas mídias sociais é investigado pela Polícia Federal

Variedades

Imagem: Divulgação Redes Sociais

Youtuber que pediu assassinato de Bolsonaro nas mídias sociais é investigado pela Polícia Federal

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, pediu, nesta terça-feira (6), à Polícia Federal (PF) a abertura de inquérito contra o youtuber conhecido como Vina Guerrero.
Por Marcelo Jorge - 07 De Agosto De 2019, 07:51 PM


A PF deve apurar a prática de crimes de ameaça, incitação à violência e contra a honra do presidente da República, Jair Bolsonaro. Moro pediu ainda que a polícia verifique se há possibilidade de enquadrar as condutas do youtuber na Lei de Segurança Nacional.

Moro pediu ainda que a polícia verifique se há possibilidade de enquadrar as condutas do youtuber na Lei de Segurança Nacional, informa a agência EBC.
Em vídeo de 12 minutos, que foi publicado no dia 30 de julho, Vina Guerrero, que é presidente do Movimento Comunitário Trabalhista do PDT de São Paulo, disse que o presidente e os demais políticos da sua família devem ser assassinados.

“Não tem mais condição de aceitar um bosta como Bolsonaro no poder. Esse cara tem que ser assassinado, ele e família, menos a filha que não é política, [mas sim] os políticos da família Bolsonaro pra resumir, os quatro… os três filho bosta [sic] e o próprio pai”, declarou o militante.
“Foda-se, me prende… você tem que morrer Bolsonaro, você é um câncer na sociedade”, acrescentou ele. Confira o vídeo completo aqui.

Confira abaixo a nota do Ministério da Justiça e Segurança Pública:

“O Ministério da Justiça e Segurança Pública requisitou à Polícia Federal, em 06/08/2019, a abertura de inquérito policial para a apuração de graves crimes de ameaça, incitação à violência e contra a honra praticados contra o Sr. Presidente da República, Jair Bolsonaro, por pessoa identificada como ‘Vina Guerrero’, e que foram efetuados por meio de vídeo divulgado no Youtube. Foi ainda solicitada, em vista da gravidade das ameaças e da incitação à violência, a verificação de eventual enquadramento das condutas na Lei de Segurança Nacional.”

(Com informações do Site 'Renova Mídia')


Compartilhar: