IMG-LOGO
Home > Política > PT recebeu R$ 270 milhões em propina, diz Palocci. Ex ministro também revela que empresa repassou valores ao filho de Lula
Política

IMAGEM: Ex-ministro Antonio Palocci. Foto: José Cruz/ABr

PT recebeu R$ 270 milhões em propina, diz Palocci. Ex ministro também revela que empresa repassou valores ao filho de Lula

E em troca de benefícios na ANS, a empresa deu dinheiro ao PT, ao Instituto Lula e à Touchdown, de Luis Cláudio da Silva
Por Sandro de Moura - 14 De Agosto De 2019, 04:23 PM


Em delação premiada à Polícia Federal (PF), Antonio Palocci, ex-ministro dos governos Lula e Dilma, afirmou que o Partido dos Trabalhadores (PT) recebeu R$ 270,5 milhões em propina entre os anos de 2002 e 2014.


Segundo informações da revista Veja, o dinheiro foi proveniente de doações, parte declarada e outra não, de grandes grupos e empresas em troca de favores recebidos.


Palocci afirma que cada doação teve um benefício específico que, segundo ele, teria sido alcançado por determinada empresa. Grande parte das negociações eram realizadas pelo ex-ministro junto com o ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto.


FILHO DE LULA


O ex-ministro petista revelou também que o repasse de recursos do grupo Qualicorp ao PT, ao Instituto Lula e à empresa Touchdown, de Luis Cláudio Lula da Silva, 30 anos, filho caçula do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. As informações foram publicadas nesta quarta-feira (14) pela coluna Radar, da revista Veja.   Os pagamentos, de acordo com a revista, teriam sido feitos em troca de “benefícios concedidos pelo governo” à empresa na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). 


Em março, a Polícia Federal indiciou Lula e o filho Luís Cláudio pelos crimes de lavagem de dinheiro e tráfico de influência. A Touchdown passou a ser investigada em 2017, com as delações da empreiteira Odebrecht na Operação Lava Jato. A empresa teria recebido mais de R$ 10 milhões de patrocinadores.


O acordo firmado pelo ex-ministro Palocci no Supremo Tribunal Federal (STF) tem 23 anexos, que tratam de 12 políticos, entre ex-ministros de Estado, parlamentares e ex-parlamentares – além de grandes empresas.



Compartilhar: